A arrogância de quem ‘se acha’ branco é pura ilusão…

Você já viu algum sujeito branco, mas branco mesmo, como uma folha de papel ‘branca’, tipo um #FFFFFF, em HEX ou em rgb(255, 255, 255), que também nem são tão brancos assim, já que em alguns monitores mais parecem dentes ‘não clareados’ que a cor (ou ausência dela) que deveriam mostrar?

E por falar em RGB, sabe o que a sigla significa? R= Red (vermelho), G= green (verde) e B= blue (azul). Ou seja: até o branco que se apresenta no monitor como tal, é uma mistura saturada de vermelho, verde e azul, resultante da multiplicação dessas cores em sua capacidade máxima a ser exibida em qualquer tela.

Será que faltou ‘cor’ aqui? kkk

E o que é que isso tem a ver com todos nós? Tudo!

Todos os dias, quando leio alguma notícia sobre uma pessoa de ‘cor’ que foi discriminada, entendo como uma reafirmação da segregação. Enquanto não compreendermos que não existe nenhum branco, branco de fato, e que todos temos, seja lá em que percentual for, alguma tez (tonalidade da pele), seja ela levemente rosada, bronzeada, amarelada, avermelhada, acinzentada ou negra, todos somos pessoas de cor, ora bolas!

Porque? Por que enquanto nos separarmos por cor, raça, religião, partido político, gordo, magro, alto, baixo, bonito, feio e tantos outros adjetivos que mais desqualificam quem os usa, que a quem são dirigidos, não somos nada além de um bando de idiotas, retardados, analfabetos sociais chamados ‘racistas’.

Ah, você vai me dizer que chamar alguém de ‘gordo’ ou ‘esquelético’ não tem nada a ver com racismo. É, em parte, verdade! Mas tem a ver com algo que é a base do racismo: a discriminação, a rotulação contínua e implacável que achamos que devemos aplicar a tudo e a todos imediatamente, de acordo com nossa intolerância.

Sabe o que nos falta de verdade? Falta-nos compaixão, maturidade emocional e social, humanidade e amor, que é o componente principal dos sentimentos acima.

Quando é que vamos aprender a olhar para as pessoas e vê-las simplesmente como seres humanos, ao invés de ‘algo’ que tem uma cor, tamanho e dimensões que são, apenas na aparência, diferentes de nós?

E se você ainda não se fez esta pergunta, aqui vão outras para ir um pouco mais fundo:

  • Qual é o tipo de emoção/sentimento associados ao ato de discriminar?
  • Com quem você aprendeu a ser racista?
  • Será que quando você discrimina outra pessoa não quer é esconder de si mesmo/a, um sentimento de inferioridade profundo e arrasador?

Matizes no Pantone

A riqueza da variedade de cores da pele humana foi documentada pelo artista plástico Pierre David em seu ‘Nuancier’, implementado pela fotógrafa Angelica Dass, que denominou seu trabalho ‘The Humanae’.

Os dois associaram códigos Pantone às cores de peles, o que evidencia a ausência do branco. Claro, meu raciocínio é “apenas” uma grande curtição com a ideia de que ‘branco’ é algo especial, superior, elitizado…

A folha de contatos abaixo, é da Angelica Dass:

Colaboraram: Bruno Sousa e Carlos Sena
Imagens: Angelica Dass, Corbis e Pierre David

Postagens relacionadas:

CC BY-NC-SA 4.0 Todo mundo é de ‘cor’, inclusive os que se acham ‘brancos’ por Bosco Carvalho está licenciado sob a Licença Internacional Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-ShareAlike 4.0.

Bosco Carvalho on EmailBosco Carvalho on FacebookBosco Carvalho on InstagramBosco Carvalho on LinkedinBosco Carvalho on Twitter
Bosco Carvalho
Terapeuta holístico at Renascer Saúde

– Terapeuta holístico nas áreas de meditação, sexualidade tântrica, Voice Dialogue, regressão, bioenergética.

– Palestrante, jornalista, publicitário, especialista em marketing digital e webdesign.

-Fluente em Alemão e Inglês.


Uma reflexão sobre o “Todo mundo é de ‘cor’, inclusive os que se acham ‘brancos’

  1. A sombra de todos é da mesma cor, assim como a cor do sangue de todos. A arrogância também, é comum à espécie humana, independente de cor. Nos achamos superiores às demais espécies, mas não somos. Somos tão dependentes da natureza quanto qualquer outra espécie.
    Os humanos são uns babacas. Já deveriam estar extintos. Mas já estamos nos encarregando disso. Não devemos emplacar 1000 anos se não mudarmos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *